Para ti, miúda do caracol. (Rascunho)

Para ti, miúda do caracol. (Rascunho)

Como levar alguém ao orgasmo com palavras? Será que é possível levar alguém a um pensamento como o que estamos a ter? Será que é a habilidade em articular as palavras que levam a mente de alguém a desenhar um cenário que apenas existe dentro da mente de quem escreve?

Vou dirigir-me a ti de uma forma frontal e como se fosses minha – nem que seja enquanto lês este texto. Deixando claro que sou teu enquanto escrevo estas palavras e ouço o “The Dark Side Of The Moon”. Usa-me como a tua imaginação te guiar. Tenho a certeza que vou gostar e pedir por mais, ainda que através de uma ficção como é esta que começo a escrever sem qualquer plano.
Como és tu? Bom, para começar és a preto&branco e isso começa da melhor forma pois é com os tons que gosto de ver o mundo. Vejo o “V” que o teu peito desenha com a ajuda do teu soutien de claro bom gosto. E aquele caracol que cai do teu ombro?

Disse que ia ser frontal. Como aquelas fotos que gostamos. Um soco no estômago, um tesão repentino, uma sombra que esconde um rosto ou uma luz que revela um mamilo endurecido.
Dias atrás, postei uma foto do meu pau claramente molhado de tesão. Dizia que as grandes mentes me davam tesão. Referia-me ti. Sim, miúda do caracol.
Nesse dia, depois de falarmos imaginei como seria a textura do teu soutien que usas na fotografia. Será de renda? Se sim, será transparente? Será que que conseguiria “acordar” o teu mamilo com movimentos circulares do meu dedo por cima da renda enquanto te olhava nos olhos a espera de um sinal teu: poderia ser um morder de lábios; um suspiro; ou simplesmente um pedido teu para que te abocanhasse de imediato. Como safado obediente que sou, de imediato caía de boca no teu mamilo já semi-duro. Por cima do soutien passava a língua tal como havia passado o dedo: bem devagar à volta do teu mamilo. Olhava para cima para te olhar nos olhos enquanto a minha língua passeava pela textura da tua renda.
Sem avisar chupava-te com vontade e de forma bem molhada na tentativa de roubar um gemido teu. De seguida beijava-te quanto te apalpava com uma mão e te descia o soutien para apertar o teu mamilo completamente molhado com a minha saliva. As nossas línguas enrolavam-se e a minha outra mão passeava pelos teus caracóis.

Voltava aos teu mamilo para molhar ainda mais com a minha boca. Sentia-o a crescer na minha boca e a esta altura o meu pau já pulsa por ti. Agora mesmo, enquanto te escrevo estas palavras.
Desço uma mão até às tuas coxas e abro-te ligeiramente as pernas – só o suficiente para chegar com um dedo às tuas virilhas. Sim! Começo a deslizar um dedo pela tua virilha… Olho para as tuas cuequinhas com ar de guloso mas resisto. Levo um dedo à tua boca e tu abocanhas com perícia. Neste momento aperto o meu pau com o tesão de sentir a tua boca a engolir o meu dedo. «deixa-o molhado tesudinha», peço-te.
Com o dedo bem molhadinho, começo a passar por cima das tuas cuequinhas… Bem devagar, deixando um fio da tua saliva bem devagar… Aperto a tua coninha a sinto o calor a humidade intensa. Que vontade de te foder com a boca agora mesmo… Continuo a passar o dedo por cima das cuecas de cima abaixo enquanto vais gemendo para mim.
Espero que a esta altura do texto esteja com o tesão que eu estou. Aliás, estou a escrever a parar para punhetar o meu pau. Está tão molhadinho…

Não aguento mais e abocanho-te por cima das cuecas. Tu apertas-me e esfregas a coninha bem contra a minha boca. Desvio a cuequinha para o lado vou directo ao teu grelinho que pulsava de tesão. Sugo-o como se fosse meu, como se fosses minha. Enfio-te dois dedos e fodo-te enquanto enquanto o teu rosto de tesão fazia o pau babar-se todo de tesão.
Começo a dar palmadinhas na tua cona e pedia-te que viesses para mim. Por favor, vem-te para mim safada. Fode essa coninha para mim enquanto lês estas palavras escritas com dedos molhados de tesão. Quando estiveres a ler isto, terei a foder o meu pau enquanto imaginarei se te vens ou não. Quando tiveres mesmo mesmo quase a vir-te, enterra um dedinho no cuzinho. Era o que faria se estivesse a contigo. Um dedo no cuzinho e a boca na coninha.
Tenho um pedido muito simples: vens-te sentada na minha boca? Por favor?

Beijo

Bir cevap yazın

E-posta hesabınız yayımlanmayacak. Gerekli alanlar * ile işaretlenmişlerdir